13 de outubro de 2008

Turismo interno é saída para enfrentar crise mundial, diz ministro

O ministro do Turismo, Luiz Barretto, disse nesta quinta-feira que o mercado interno brasileiro tem apresentado índices positivos de crescimento e que representa "uma das saídas" para o enfrentamento dos reflexos da crise financeira mundial.

"A gente ainda não tem as dimensões da crise. Ela afeta fundamentalmente o mercado americano e europeu, a gente não sabe como vai atingir o país. Certamente, algum nível de efeito vai ter aqui. O momento é de tranqüilidade, de aguardar, de planejar as ações. Estamos no caminho. Acho que o turismo pode ser beneficiado", disse Barretto em entrevista ao programa Bom Dia Ministro, da EBC Serviços.

"Hoje, o Brasil tem uma grande vantagem em relação a outros países que é o grande mercado interno. Mais de 25 milhões de brasileiros conseguiram entrar no mercado de consumo. Tem muito brasileiro que não conhece o Brasil."

Barretto lembrou que o país tem se recuperado após a falência da companhia aérea Varig, em 2006, que reduziu a oferta de assentos. Segundo ele, o aumento de vôos internacionais também deve facilitar o maior fluxo de turistas estrangeiros no Brasil.

"Recentemente, a TAM confirmou dois vôos diários ao Rio de Janeiro saindo de Miami e de Nova York. A Delta Airlines e a American Airlines também confirmaram vários novos vôos ligando o Brasil ao mercado americano. A grande vantagem é que não está mais concentrado no Rio e em São Paulo", avaliou.

De acordo com o ministro, é a primeira vez que há vôos estrangeiros com partidas e chegadas no Nordeste brasileiro e em cidades como Manaus, Belo Horizonte e Brasília. A expectativa, segundo ele, é chegar a cerca de 150 freqüências internacionais e 30 mil assentos semanais.

"A gente tem tido notícias positivas e o compromisso das companhias de uma grande expansão. Estamos muito esperançosos de aumentar esse fluxo de turistas estrangeiros que hoje está em torno de 5 milhões que já deixam quase US$ 6 bilhões de divisas para o Brasil".

Ao comentar a separação das pastas da Cultura, do Turismo e do Esporte, que antes funcionavam juntas, Barretto classificou a medida de "uma grande conquista", que "colaborou para a melhor organização do setor".

"Estamos trabalhando diretamente com os governadores. Temos a Embratur [Instituto Brasileiro do Turismo] e um Plano Nacional de Turismo que já está na sua segunda versão, com grandes metas. O fundamental é que a gente saiu de uma política de ocasião, de um apêndice de outros ministérios. Independente de quem esteja na cadeira de ministro, tem metas, objetivos e programas que vieram para ficar".


Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u451457.shtml

em 02/10/2008

Um comentário:

João dos Santos Filho disse...

TURISMO DOMÉSTICO SÓ É PRIORIDADE QUANDO HÁ CRISE NO TURISMO RECEPTIVO

João dos Santos Filho


Conversando com alguns pequenos empresários e colegas da Universidade ligados ao turismo, neste fim de semana fiquei assaz preocupado com os rumos que a “Política Nacional de Turismo” vem tomando. Entretanto, analisando historicamente o desenvolvimento de seu formato, desde a chegada da Família Real ao Brasil, a mesma, não mudou muita coisa. Segundo comentamos, permanece engessada de forma submissa para beneficiar as grandes corporações do ramo, estrangeiras ou nacionais que se associam para não perecerem nesse processo de muldialização do Capital.
Com D. João VI o Rio de Janeiro foi escolhido para acolher a família real da fúria das tropas de Napoleão comandadas por Junot (que haviam entrado em Lisboa, faminta, exausta e desorganizada), e compensar os aristocratas portugueses pela péssima, desconfortável e humilhante viagem até o Brasil. Resolveu proceder a uma plástica urbanística, preservando e melhorando as imensas belezas naturais do Rio, transformando o paraíso tropical ou também chamado “quintos dos infernos” na casa da única Monarquia do Novo Mundo.
Abriu os portos para as nações amigas, favorecendo aos ingleses pela exclusividade de taxas preferenciais para venda de suas mercadorias; criou o Jardim Botânico, construiu teatros trouxe parte da Biblioteca Régia para o Brasil. Recebeu, permitiu, convidou e financiou a entrada de cientistas e pesquisadores para o estudo do território nacional.
Executou a reforma urbanística do Rio, melhorou o abastecimento de água, criou passeios públicos, na verdade embelezou a cidade dando-lhe um ar aristocrata. Fundou escolas e permitiu também que brasileiros começassem a fabricar alguns dos artigos de que o país precisava.
D. Pedro I como o primeiro imperador do Brasil e responsável direto pela independência do Brasil, alimentando politicamente a separação do Brasil de Portugal e governando dentro de um despotismo declarado.
D. Pedro II o grande divulgador das riquezas do Brasil e amante das ciências não economizaram esforços em tentar mudar a imagem do país escravocrata, agrícola e dependente a um reino que estava indiretamente subjugado ao interesses da Inglaterra.
Nessa convergência de ações o período do Brasil Império pode ser considerado como aquele em que a propaganda e a publicidade estiveram a serviço da divulgação de um Brasil moderno que veio a favorecer ao turismo:
1. A abertura dos portos as nações amigas, torna o Rio cosmopolita;
2. O Brasil se torna o centro da curiosidade dos naturalistas, botânicos, aventureiros e cientistas em geral pela busca do ouro e pedras preciosas. Levando D. João VI a criar a Escola de Minas de Ouro Preto;
3. D, Pedro II financiou a primeira exploração brasileira ao Antártico, com isso tentando mudar a visão de pais atrasado e escravocrata;
4. Organizou e supervisionaram as exposições realizadas pelo Brasil em Londres, França, Líbano, Viena e Amsterdã. Selecionando o que deveria ser exposto, como pedras preciosas, café, madeiras nobres e frutas tropicais.
Por isso podemos afirmar que a atividade turística ganhou espaço no período do Império e serviu para tentar modificar a imagem que o mundo tinha do Brasil e atender ao turista que era já citado pelo viajante americano Thomas Ewbank em 1855:

Viagens livres e comércio livre ainda não existem. Os costumes bárbaros que, no Velho Mundo, impedem o homem de percorrer a terra e comunicar-se à vontade com seus semelhantes prevalecem também na América do Sul. Os turistas não podem descer nas praias do Brasil ou deixá-las, se não possuírem passaportes. (EWBANK, Thomas. Vida no Brasil. Belo Horizonte. Itatiaia. São Paulo. Universidade de São Paulo 1976: 21)

A preocupação com o turismo e lazer pelo Estado Imperial se refere ao da aristrocracia e das classes abastadas, que além de realizar uma modificação radical na cidade do Rio de Janeiro para poder usufruir de seu tempo livre. Pressiona e reprime para que as atividades de Lazer das classes populares fossem contidas e reprimidas, por serem libidionosas e pagã. Mas temos, que admitir que as sinalizações para o turismo estão presente naquele periodo e atendem aos interesses do turismo receptivo.
Voltando os olhos para o turismo pós-império, percebemos que o mesmo mantém sua preocupação para o turista estrangeiro como pode ser constatado no reportagem da PANROTAS – plantão de notícias de 22/10/2008 – política.

O ministro de Turismo, Luiz Barretto, fez um discurso otimista durante a abertura da Abav 2008. Barretto desafiou os empresários a trabalharem com a crise econômica mundial como uma oportunidade de desenvolver o turismo doméstico. “É a chance de desenvolver as viagens internas e incentivar o brasileiro a conhecer mais o País”, afirmou o ministro. Para Barretto, o patamar em que se encontra o dólar atualmente dá a chance dos empresários baratearem o produto nacional.
O apelo do Ministro explicita que a estrutura existente montada pelo Estado brasileiro para trabalhar com o turismo esta toda voltada para o turismo receptivo. A Embratur, com seus escritórios internacionais e a Política Nacional de Turismo 2003 – 2007 e a 2007 -2010 e o próprio Ministério. Desafio a Embratur apresentar os resultados dos programas “Viaja mais – melhor idade”, “Viaja mais – jovem” , “Vai Brasil” e EMPREENDETUR. Bem como, como se procedeu o concurso público para preencher as vagas para os escritórios internacionais e quem paga o salário das vinte diretorias Federação dos CVB nacional.
Por que o Estado não tem coragem de fato de criar uma “Política Nacional de Turismo” para o turismo doméstico e sim se pauta em atividades pulverizadas que na verdade não pertencem ao uma política maior, mas sim a devaneios de marqueteiros em busca do sucesso?