12 de junho de 2008

Associar para transformar

Enviado por Aristides Farias - http://rhemhospitalidade.blogspot.com

UNIÃO. Esta palavra transcreve uma mudança de pensamento e comportamento que se faz urgente nos dias atuais. Unir para educar, cuidar, alegrar, para trabalhar, amar, festejar, lamentar. A vida é muito melhor quando compartilhamos nossos momentos com as pessoas que amamos ou que podemos amar (apesar de não conhecer). Amar não é fazer amor, calma! Amar é, antes de tudo, cuidar.

“Quem ama, cuida”, é uma expressão bastante corriqueira nos programas de Educação Ambiental Há outras igualmente comuns como “quem ama, preserva”, “quem ama, defende”, enfim, para todas reserva-se o mesmo significado: “quem ama, ama... e pronto”.

Aliás, que bênção é poder amar! Poder cuidar daquilo que apreciamos. Nossa coleção de CD’s, de canetas, de camisetas, de sapatos. Desde as pequenas peculiaridades (todos as têm!) até ao ambiente natural, o planeta, a natureza!

O que restaria da humanidade se não fosse possível amar? O que restaria do Ser humano se não fosse possível agregar? Então, que seja assim! Uni-vos, criei-vos associações, clubes, grupos de estudos, grupos de discussões, empresas, ONG’s.

Percebam a desconexão das coisas do “Homem”: enquanto torna-se global a informação de que se deve tomar banhos cada vez mais rápidos, fechando o chuveiro enquanto ensaboa-se; foi publicado em uma revista sobre “meditação” a seguinte sugestão: “para relaxar depois de um dia estressante de trabalho, trânsito caótico, sente-se sob o chuveiro (no chão ou em um banquinho) e deixe a água escorrer por cerca de 20 minutos”. Alguém deve estar de brincadeira! Vinte minutos de água corrente? No horário de pico? Mas esse editor é um tremendo de um fanfarrão mesmo!

Se todos aqueles que trabalham formalmente (excluindo aqui os que trabalham na informalidade), seguissem este conselho (ou metade dele, 10 minutos de água corrente), o colapso no abastecimento de água seria imediato. Além do mais a revista não promove o home office (escritórios feitos na própria residência dos profissionais que não precisam efetivamente ir ao local de trabalho), com o fim de mitigar o caos do trânsito urbano, ou as possibilidades de meios de transporte alternativo, como a bicicleta e o transporte coletivo. Este último é melhor nem comentar.

Há dois papéis que as universidades deveriam assumir urgentemente em nome do bem comum. São eles: promover a cooperação entre estudantes, egressos, docentes, colaboradores e gestores; e intervir na sociedade a fim de provocar inovação e buscar soluções criativas para os problemas contemporâneos da sociedade atual.

Aloha, galera!!

Aristides Faria

Um comentário:

Aristides Faria disse...

Pessoal!
Anderson!

Esse texto foi escrito há algum tempo. Mas, na minha visão, continua mais atual do que nunca.

Tenho vivenciado diversas experiências acerca desse lema de "Associar para transformar". rsrs aprendi um outro bacana: "finalizar para recomeçar" ou algo parecido...

Grande abraço!!
Mantenham contato!!
Aristides Faria