16 de abril de 2008

Índices e indicadores: homem e ambiente

Enviado por Aristides Farias - http://rhemhospitalidade.blogspot.com


Depois de ter comentado sobre a importância de escolher bem a empresa que lhe levará a fazer um passeio de barco em busca de boas ondas pela região em que você está hospedado ou onde mora, você deve saber algo mais sobre as condições do mar. Além da direção dos ventos, do tamanho e direção da ondulação e da posição dos bancos de areia, devemos saber ainda um pouco mais.

É fundamental saber quais as condições de balneabilidade em que se encontram as praias onde você quer mergulhar, surfar ou apenas relaxar. Principalmente nos meses de verão, quando a concentração de pessoas extrapola a capacidade de atendimento da rede de coleta, tratamento e disposição de efluentes (esgoto). Isso quando ela existir... São incompreensíveis as agressões que acontecem diariamente em nosso litoral: desmatamentos, invasões de terras públicas, construções em Áreas de Preservação Permanente (APP’s), despejo de lixo em áreas naturais, caça e pesca predatória, poluição sonora, visual e de mananciais... Vale um texto só para gritar esta barbaridade que não será sem conseqüências!

Para saber onde nosso lazer (ou trabalho) acontecerá sem traumas precisamos saber antes algumas informações. O que é um “índice”? O que são “indicadores”? O primeiro são os números que mensuram, quantificam algum indicador. Assim, o indicador qualifica algo. Por exemplo: a balneabilidade é a condição de “estar propicio ao banho (e à ingestão de pequenas doses)”, neste caso, balneabilidade é o indicador. As análises que quantificam o numero de coliformes fecais (bactérias existentes no aparelho digestivo de mamíferos) em um determinado volume de água dão origem aos índices de balneabilidade.

Agora que você compreende melhor o que significam aquelas placas e bandeiras que apontam as condições de banho nas praias e rios, você pode dar preferência às praias, hotéis e cidades que buscam proteger o mar, os rios, os córregos, as lagoas e as lagunas. Por mais que uma praia seja urbanizada, ela ainda é um bem natural que deve ser conservado às gerações vindouras. Isto sim é Hospitalidade!!

O website da CETESB (www.cetesb.sp.gov.br), órgão responsável pela gestão ambiental do Estado de São Paulo, apresenta a medição semanal dos índices de balneabilidade de águas continentais e costeiras daquele Estado. Visite, aprenda um pouco mais e espante-se com os resultados! Também vamos discorrer mais sobre este tema em outro texto, mas vale adiantar que há diversos fatores que influenciam os índices e não apenas a presença ou não de uma rede de coleta, tratamento e disposição do esgoto local.

É vital que os empreendimentos hoteleiros, os equipamentos turísticos e a infra-estrutura urbana sirvam para adequar a relação entre o homem e o ambiente em que ele vive. Jamais para sobrepor, tentar dominar, controlar a natureza indomável que nos cerca. A Educação Ambiental tem o papel fundamental de ensinar conceitos e condutas, mas cabe a nós a iniciativa de transformar a humanidade em uma comunidade mais hospitaleira e consciente.

Aloha!

Um comentário:

Aristides Faria disse...

Por falar em índices, indicadores... viram o tremor de terra?!?!! Que terro, hein?!

Faço este comentário, pois moro em Santos (vizinho de São Vicente, onde originaram as ondas sísmicas). Na verdade nem senti nada... mas é assunto do momento!

Um abraço, pessoal!!
Aristides Faria